“Hoje vamos comer arroz e feijão”, diz moradora de comunidade em Campo Grande


O desafio “Onda do Bem” chegou até o Hospital Adventista do Pênfigo e se espalhou rapidamente entre os colaboradores da instituição. A ideia nasceu com os líderes da Igreja Adventista com o objetivo de incentivar a solidariedade entre os membros e principalmente ajudar as famílias carentes que estão vulneráveis com a pandemia do novo coronavírus.

Quem começou com a brincadeira de bom gosto no hospital foi o capelão, pastor Claudiney Primo. Ele desafiou o Diretor Administrativo, Everton Martin a adquirir cestas básicas em prol das famílias carentes de Campo Grande. O diretor, por sua vez, desafiou outros três colegas de trabalho e, foi assim, que essa corrente da solidariedade ganhou proporção e muitos colaboradores aderiram a essa corrente. O resultado foi a aquisição de aproximadamente cinco toneladas de alimentos em formato de cestas básicas. O Hospital Adventista do Pênfigo dobrou a quantidade de doação dadas pelos funcionários.

Alguns líderes foram pessoalmente levar o alimentos nas comunidades Vitória e Só Por Deus. Ao todo, 130 famílias, a maioria com crianças, receberam os alimentos que tanto esperavam. O Lar Lygia Hans será o próximo beneficiado e vai receber fraldas e leite em pó para as crianças que vivem no lar.

Na comunidade Só Por Deus 68 famílias foram beneficiadas com a ação do Hospital Adventista do Pênfigo. A líder da comunidade, Luciene Pereira de Lima, 47 anos, revela que muitos estão desempregados e que muitas mulheres são mães solteiras. Ela mora há quatro anos na comunidade com o filho, a nora que está grávida e os netos. “Vai fazer muita diferença essa ajuda. Minha nora está grávida e meu esposo desempregado e só consegue fazer bicos”. 

Ana Paula Bento, 30 anos, é mãe de três filhos, com idades de 06, 10 e 13 anos. Ela mora com o marido em um barraco pequeno. A família possui uma renda mensal de apenas 400 reais. Ela conta que, as vezes, não tem arroz para comer. “Veio em boa hora porque só tem meu marido trabalhando e manter a casa é difícil”, desabafa. “Hoje vamos comer arroz e feijão. Hoje vai ter felicidade na minha casa”.

Para o pastor Claudiney ver o resultado dessa brincadeira é indescritível. Ele teve a oportunidade de conhecer essas famílias, de ler um trecho da Bíblia e orar com eles. “O agradecimento destas pessoas lutadoras após receber o alimento me faz valorizar mais todas as coisas que Deus nos oferece”.

Ana Paula em frente a sua casa na comunidade “Só Por Deus”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *